Uma Breve Historia do Karate

 

APRESENTAÇÃO

O conteúdo deste site é o resultado de pesquisa bibliográfica e de vivências, este site dá uma tênue visão do vasto caminho do karate e do Clube Budô-kan, de modo particular, suas vertentes no Maranhão.

Inicialmente fala-se da origem do karate, dos rituais e sua importância, seus símbolos e outros elementos. A partir daí, trata-se do desenvolvimento do karate, fornecendo, de forma sucinta, informações básicas que são direcionadas à grande família do karate e a quantos buscarem subsídios para o conhecimento da bela arte que do Oriente se expandiu por todo o mundo.

 

AGRADECIMENTOS

A Deus, a meus pais e a Mirinzal com o reconhecimento pela vida.

A Rosalina Ribeiro e Militino Araújo, ancestrais mais recentes da minha família.

A minha mãe pelo exemplo de vida e pela força do seu amor.

A minha esposa e filhos, com o meu amor eterno.

Aos tios Álvaro e Agenor (in memorian) com quem aprendi muito.

A meu padrinho Raimundo Almeida (in memorian) meu grande amigo

Ao meu avô Pedro Almeida a quem procuro me espelhar

Aos meus avós Joaquim Ribeiro e Francisca Santos dos quais tenho saudade.

Finalmente a mim mesmo, pela perseverança companheira dos sonhos realizado

 

HISTÓRIA DO KARATE

 

Diversos países reclamam a paternidade do karate, tais como a Índia, a China e o Japão. Dados registram os conhecimentos de lutas entre monges que viveram há 3000 ac. Nessa época, já existiam os movimentos sincronizados, semelhantes aos kata. Os monges observavam os movimentos dos animais pela sobrevivência, estudavam, adaptavam e treinavam para usá-los nas práticas guerreiras. Do tigre, tiraram a agilidade; da águia, a leveza; do galo, a perseverança. Já dos vegetais colheram a paz e a harmonia.

O karate não surgiu como um produto acabado nem foi o resultado da experiência de uma única pessoa nem mesmo de um único povo. Foram os orientais que mais se notabilizaram no desenvolvimento desta arte, principalmente os da ilha de Okinawa.

 

 

 

OKINAWA

Ilha pertencente ao arquipélago Ryukyu, servia como ponto de apoio entre a China e o Japão, sua posição geográfica beneficiava os dois paises, Okinawa tem largura variável, que vai de 4 a 30 kilômetros com 100 kilômetros de comprimento, as palavras (OKI: significa oceano ou grande, NAWA: significa corrente) originou seu nome, sua população é uma mistura dos povos da região.

Sabe-se que Okinawa em 1879 torna-se oficialmente território japonês, esta ilha foi palco de muitas batalhas locais e internacionais e a mais cruel foi na segunda guerra mundial em 1945 quando a ilha ficou sob o controle dos Estados Unidos só voltando à hegemonia japonesa em 1972 quando os Estados Unidos devolveu a ilha ao Japão.

 

OKINAWA É CONSIDERADO O BERÇO DO KARATE, consta que o pioneiro nas artes marciais em Okinawa teria sido o mestre Yara que teria vivido no século XVIII. Outra figura importante na história do karate foi o mestre Sakugawa, este teria organizado a primeira escola de karate (To-de, como era conhecido o karate na época). Outras figuras importantes sucederam estes dois mestres, sendo mais lembrado o mestre Sokon Matsumura que teve grande sucesso com importantes discípulos como Anko Itossu e Yasutsune Azato. Destes dois mestres desponta um okinawano de nome Gichin Funakoshi, o mestre mais importante para o karate moderno. Outro grande mestre que deve ser lembrado é Masatoshi Nakayama. Discípulo do sensei Funakoshi, mestre Nakayama foi o maior divulgador do karate no mundo.

KARATE NO BRASIL

 

O advento do karate, no Brasil, coincide provavelmente com a chegada dos 781 imigrantes que em 1908 desembarcaram no navio Kasato Maru na cidade de Santos, sua prática devia restringir-se aos imigrantes radicados nas colônias situadas em Biguá, Pedro de Toledo, Bastos, Marilia e Garça no litoral paulista. Sabe-se que o mestre Yoshihide Shizato chega ao Brasil em 1954 e ministra aulas de karate na sua casa só para jovens da colônia japonesa. Pouco tempo depois, a pratica da bela arte passa para academia. Isto se dá, em 1955, com a chegada do mestre japonês  Mitsuke Harada 5º Dan da universidade de Waseda. Ele monta a academia de karate shotokan na Rua Quintino Bocaiúva em São Paulo. No entanto este mestre não permanece no Brasil por muito tempo, indo depois, para a Europa. No ano de 1956 registra a chegada do mestre Koji Takamatsu com o estilo Wado-Ryu. Em 1957, um japonês de nome Akamine montou uma academia em São Paulo para ensino do karate. Este por sua vez, não demorou muito. Seu karate violento fez com que o mesmo não tivesse êxito. Sucessivamente, outros japoneses surgiram no cenário do karate no Brasil, entre eles, o mestre Juiche Sagara, que teve muito sucesso, sendo considerado até hoje como pioneiro do karate no Brasil, fixando-se me São Paulo. Outros mestres se estalaram no Rio de Janeiro entre estes destacam-se, Yasutaka Tanaka e Sadama Uriu. O mestre Hugushino já falecido radicou-se em Brasília, e Minoru Massu em Belém do Pará. Estes mestres motivaram o surgimento de grandes nomes no desporto nacional. Deles são descendentes os primeiros faixas preta do Brasil: Lirton Monassa, Benedito N. A. Santos, Milton Osaka, Inoki, Fernando Pessoa, Mauricio, Oswaldo Ducan, Raimundo Bastos, Cláudio Trigo, William Felipt, Julio Alay e Dinor. No inicio dos anos 70 chega ao Brasil o primeiro mestre de karate saído do Curso de Profissionais do JKA, o mestre Takedo Okuda fixando sua academia em São Paulo. O mestre Okuda teve como discípulos Yusuyuki Sasaki, Ricardo D’Elia, Ennio Vezulli dentre outros. Em 1968 foi realizado o primeiro torneio de karate no Brasil através da Nihon Karate Kiokai. No ano seguinte foi realizado o segundo torneio já com a responsabilidade da Confederação Brasileira de Pugilismo tendo a denominação de I Campeonato Brasileiro de karate. Hoje o karate tem a sua própria Confederação criada em 11 de setembro de 1987, reconhecida pelo MEC através da portaria 551/87 e vinculada ao Comitê Olímpico Brasileiro considerando o karate como esporte olímpico. O karate teve como o primeiro presidente o Dr. Marcelo Arantes seguido do professor Edgar Ferraz de Oliveira, que vêm mantendo unidos, em torno dos objetivos, o Karate do Brasil.

 

KARATE NO BRASIL- ATRAVÉS DOS PIONEIROS UM BREVE HISTÓRICO.

 

MESTRE YOSHIHIDE SHINZATO

 

Mestre Shinzato nasceu em Okinawa-Japão em 15 de março de 1927 e foi discípulo direto de Coshin Chibana. Imigrou para o Brasil em 15 de janeiro de 1954. Ao chegar no Brasil ministrou aulas de karate em sua residência aos jovens da colônia japonesa. Sua primeira demonstração de karate aconteceu no parque Ibirapuera em 25 de janeiro de 1954 e sua primeira academia foi fundada em 3 de junho de 1962, na cidade de Santos-São Paulo. Faleceu em 13 de janeiro de 2008.

 

 

 

MESTRE KOJI TAKAMATSU

 

Nascido na província de Hyogo, na cidade de Kakogawa no Japão em 21 de dezembro de 1930 e formado pela universidade de Agronomia de Tokyo em 1953, o mestre Takamatsu chegou ao Brasil em 1956. Takamatsu é membro da comissão técnica da organização WADO-RYU KARATE-DÔ, Presidente da Oraganização Wado-Ryu Karate-dô do Brasil e 9º Dan pela Oraganização Wado-Ryu Karate-dô desde 1978 e reconhecido também pela Confederação Brasileira de Karate onde faz parte da comissão de graduação. Hoje o mestre reside em São Paulo onde dirige o seu dojô.

 

 

 

MESTRE JUISHI SAGARA

 

O mestre Sagara foi um dos pioneiros do karate no Brasil. Tendo iniciado em 1957(estilo Shotokan). Em 1959 já fazia parte da Federação Paulista de Pugilismo. Nascido em Tóquio-Japão era formado em economia política pela Universidade de Takushoku. Sua formação como Karateca data de muito tempo. Sua primeira e segunda graduação como faixa preta ocorreram em 1954 e 1956 respectivamente, e foram conferidas através da Confederação Universitária do Japão. Os graus do quinto ao sexto Dan foram conferidos pela Nihon Karate Kiokai em 1972 e 1977, respectivamente. A Confederação Brasileira de Karate(CBK) e a World Karate Federation WKF) conferiram ao mestre a graduação de 8º Dan.

O mestre Sagara fez sua primeira demonstração de karate no Brasil em 1959, no Ginásio Estação da Luz, São Paulo. A vivência no karate proporcionou ao mestre o convívio com mais de 100.000 alunos, no Brasil e em outros paises Latino-Americanos. O mestre ocupou vários cargos importantes na esfera esportiva e empresarial. Foi o primeiro a escrever um livro de karate, todo em português, isto em 1965. É convidado para proferir palestras em todo país, não só para falar do karate, mas sobre vários outros assuntos. O mestre Sagara foi outorgado com o título de Grão Mestre pela Nihon Karate Kiokai a qual elevou sua graduação a 9º Dan. O mestre foi responsável também pela criação de várias Federações no País, sendo uma delas a Federação Paulista de Karate, na qual exerceu vários cargos, inclusive o de presidente, sendo condecorado com o titulo de presidente honorário da mesma. O mestre morreu aos 67 anos de idade, no seu dojô dando aulas no dia 6 de dezembro de 2001 deixando órfão o karate brasileiro.

 

MESTRE MINORU MASSU

 

O mestre Minoru Massu nasceu em 1937 na ilha de Kyoshu no Japão. No ano de 1960 Minoru Massu transfere-se para o Brasil, mas precisamente para a capital paraense. Em maio do mesmo ano começa a ministrar aula de Judô e Karate na Associação Shudô-Kan “D. Luis I” com muito sucesso, mas antes o mestre sofreu para se adaptar aos nossos costumes e idioma. Superado os obstáculos o Mestre dedica-se por trinta e quatro anos ao karate e judô sendo pioneiro na região norte do país. O mestre Minoru morre vitima de parada cardíaca em 8 de junho de 1994.

 

 

 

 

 

MESTRE SADAMU URIU

Mestre Uriu nasceu na ilha de Kyushu ao sul do Japão, era o quarto filho do Senhor Seizaburo Uriu e da Senhora Tsuwako Uriu. A princípio o Mestre treinava o Kendo (durante o ensino médio) e só teve contato com o Karate em 1951 na Universidade Takushoku em Tokyo. Seu Mestre foi o grande Massatoshi Nakayama. Sadamu Uriu, além do karate, se formou em Economia. A dificuldade pós-guerra era extrema, o jovem economista chegou a pensar em emigrar para a Indonésia, mas não o fez, pois descobriu o Brasil através do amigo Habu.
Foi assim que em 30 de dezembro de 1958 o Mestre emigra para o Brasil e após 45 dias desembarca no porto de Santos. Dirigi-se para Pindamonhangaba-SP. Tempos depois retorna a Capital e trabalha na Toyota. Em São Paulo reúne alguns amigos imigrantes para treinar o karate.
A convite do Grande Mestre Lirton Monassa, Sadamu Uriu transfere-se para o Rio de Janeiro para ensinar o karate na Academia Kobukan em Botafogo, no ano de 1962. A partir daí o mestre se firma no Rio de Janeiro e no Brasil como grande incentivador desta bela arte marcial.
E para coroar sua estrada funda em 12 de junho de 1994 a Confederação Brasileira de Karate Shotokan onde hoje ocupa a posição de Presidente de Honra.

 

KARATE NO MARANHÃO – Um pouco de sua história

Prof. Murilo Pinheiro – O precursor.
O karate no Maranhão chegou timidamente por volta de 1968, através do professor Murilo Pinheiro que instalou uma academia na Av. Magalhães de Almeida. Inicialmente a bela arte ficou muito restrita a poucos alunos, como aos comandantes de aviação Gaudêncio, Edimilson, Pedrada e outros. Depois, o professor Murilo Pinheiro transfere-se para a Rua Oswaldo Cruz e posteriormente para a Rua do Egito, São Francisco, IPASE e finalmente para o bairro do Monte Castelo.

Prof. José Ribamar Alves (ZECA) e a Difusão do Karate.
O karate só veio popularizar-se no Maranhão com a chegada do professor José Ribamar Alves - O Prof.Zeca – discípulo do mestre Minoru Massu, um dos pioneiros do karate na região Norte do País.
A convite do Coordenador de esporte do Costa Rodrigues - professor Cláudio Vaz dos Santos – o Prof. Zeca passou a ministrar as aulas de karate no referido ginásio de esporte, dando acesso a um grande público. Foi tão grande a aceitação que a freqüência chegava a registrar mais de 300 alunos, nos dois turnos.
O sucesso na expansão do karate motivou o Prof. Zeca a instalar sua própria Academia, num sobrado da Rua Afonso Pena, no centro de São Luis, transferindo-se posteriormente para a Rua Candido Ribeiro, Praça da Misericórdia, Beco do Palácio e Clube dos Sargentos na Candido Ribeiro. O professor Zeca como era chamado pelos seus alunos, formou grandes discípulos dentre os quais o autor deste trabalho.

Joaquim Pedro Almeida Ribeiro – A trajetória de um empreendedor.
Um dos pioneiros da bela arte no Maranhão, o autor deste trabalho, deixa sua marca de empreendedorismo nos principais acontecimentos do karate, no Maranhão e em outros estados da federação.
Sua iniciação no karate deu-se em 4 de junho de 1973, através do professor José Ribamar Alves – O mestre ZECA, tendo sucessivamente auferido suas graduações de 1º Dan em 24.11.1978 com o mestre Minoru Massu da Federação de Pugilismo do Pará, 2º Dan em 03.12.1989; 3º Dan em 06.12.1992; 4º Dan em 06.12.1997; 5º Dan em 13.12.2003 e o 6º Dan em 30.11.2010, sendo estas graduações conferidas pela Banca Examinadora da Confederação Brasileira de Karate.
Ainda como 1º Dan o Professor Joaquim Pedro Almeida Ribeiro idealizou e organizou a 1ª competição de karate do Maranhão – fora da Academia – esta competição, mesmo interna foi realizada em estabelecimento oficial – Ginásio Charles Moritz.
Em 1978, o Professor Pedro - como é conhecido pelos karatecas – solicita ao seu mestre, autorização para instalar seu Dojô. Esta autorização foi concedida. Assim nascia o Dojô da Budô-Kan, exatamente em 03 de março de 1978, na Av. Getulio Vargas, em uma sala cedida pelo Professor Reynaldo Farai. No ano seguinte foi transferido para outro prédio na mesma avenida.
Em julho de 1979 a Academia Budô-Kan, mais estruturada, organiza o I Interclubes Interestadual. Da competição participaram a Associação D. Luis I, de Belém e Budô-Kan, de São Luís. Nos anos seguintes este evento ocorreu já contando, também, com a participação do estado do Piauí. Hoje este evento é reconhecido pela Confederação Brasileira de Karate e incluído no seu calendário.
Os primeiros grandes seminários de karate do Maranhão também foram realizados pela Academia Budô-Kan. Destes seminários participaram consagrados e reconhecidos mestres, como Minoru Massu, Carlos Benedito, Yoshizo Machida, Sadama Uriu, Ivo Rangel, Takashi Shigueda, Sergio Takamatsu, Koji Takamatsu, Teruo Furusho, Nilson Tavares, Lirton Monassa, Paulo Vieira, José Pereira, Celso Rodrigues e Aldo Lubes.
O Departamento de karate da Federação Maranhense de Desporto, criado em 19.11.1985, teve como primeiro diretor, o Professor Joaquim Pedro Almeida Ribeiro. Nomeado através da portaria nº 056/85. À frente do Departamento de karate, o professor Pedro pode dar legalidade aos exames de faixa dos atletas ligados ao Departamento de karate, assim como legitimar os eventos oficiais, e graças a esse Departamento a primeira equipe maranhense de karate pode participar de um campeonato norte nordeste realizado em Belém – Pará pela Universidade Kokushikan do Japão onde o Maranhão conseguiu o 3º Lugar no Shiai Kumite com uma equipe formada pelos atletas Joaquim Pedro Almeida Ribeiro, Ademar Alerson, Abraão e Antonio Sousa.
E os avanços da bela arte no Maranhão estão associadas à ação empreendedora do Professor Pedro – Diretor Fundador da Federação de karate do Estado do Maranhão, Diretor Técnico e seu Presidente nas gestões 1997 a 2000, 2001 a 2004  e 2005/2008.

A Federação de Karate do Estado do Maranhão.
Fundada em 08.11.1989 pelo seu idealizador Professor Joaquim Pedro Almeida Ribeiro e amigos como Hilton dos Santos Pacheco, Joel Durans Medeiros, Joaquim Sales de Oliveira Itapary Neto e outros que compuseram a primeira diretoria, teve como primeiro Presidente o comerciante Joel Durans Medeiros, sendo fundadores legais as seguintes entidades: Budô-Kan, Leão Clube de Pugilismo, América Futebol Clube e Sampaio Correia.
Sob a égide da Federação foi realizado o I Campeonato Estadual da Modalidade, o qual teve como campeão individual no kumite o atleta Antonio José da Costa Lima. Entre outros eventos importantes da Federação, merecem destaques dois campeonatos brasileiros classificatórios realizados no Maranhão.
Entre os vários atletas que orgulham a Federação, destacam-se, em sua primeira geração, campeões, tais como, Helder Paixão Ramalho, Yuri Almeida, Vilson Rodrigues, Nilson Martins. Hoje temos atletas de destaque como Pedro Almeida Câmara Ribeiro, Karla Fernanda Almeida Câmara Ribeiro, Leanderson Serpa, Andressa Reis, Ana Vitória Correia Lima, Ana Lívia Correia Lima, André Felipe de Oliveira Pinheiro, Damylles Alves Barbosa e Dimays Alves Barbosa. Destaques nacionais e internacionais os atletas: Samira de Oliveira Santos, Augusto César Maciel Jr., e Danilo do Vale.
Quanto aos estilos de karate adotados, predomina no Maranhão, o estilo Shotokan, mas em 1996, foi implantado o estilo Shito-Ryu, através do Professor Robervaldo Ribamar Pereira, resultado de um rápido treinamento na Hayashi-Shito-Ryu do Brasil em São Paulo, na cidade de Jaboticabal.

Principais Academias no Maranhão.

A sociedade maranhense conta ainda com Academias de karate, entre as quais, destacam-se a Samuray, Aquários, Yodô-Kan, dirigidas respectivamente, pelos professores Nasser Jadão, Werberth Reis Costa e João Santos, discípulos do Professor José Ribamar Alves. Destacam-se também a Combat Center, dirigida pelo Professore Josias Rodrigues, a Kobukan, dirigida pelo Professor Carlos Henrique, e a Tupã Karate, dirigida pelo Professor Antonio José da Costa Lima. No interior do Estado destacam-se a ASKASHI, ASKAV, Faixa Preta, AKASAM, ASBAK, respectivamente nas cidades de Imperatriz, Açailandia, Pinheiro, São Mateus e Balsas, e dirigidas pelos Professores Nizer, Vilson Pinto, Ivan Mendes, Antônio Soares Lima e Clayton Rodrigues.

 

TREINAMENTOS DE KARATE – BUDÔ-KAN

Para iniciar o treinamento do karate devemos inicialmente fazer uma saudação (Rei), uma reverência indicando respeito, que o karateca deverá fazer todo início e termino das aulas.
A saudação em pé (RITSU REI) deve ser feita na posição: pés juntos, as mãos deverão estar ao longo do corpo - tipo posição de sentido. Esta base chama-se de HEISOKU DACHI que deve ser usada pela mulher. Os homens usam uma base semelhante chamada MUSUBI DACHI e somente as pontas dos pés se afastam. Para saudar inclina-se para frente à cabeça acompanhando o movimento do corpo e pronunciando a palavra “OSS”. A saudação sentada (ZA REI), para dar início, deve-se primeiramente abaixar-se com o joelho esquerdo e em seguida com o direito ficando sentado sobre os pés (joelhos um pouco afastados, coluna reta, mãos sobre a parte superior da coxa) e cumprimenta-se levando suavemente a mão esquerda à frente e depois a mão direita, apoiando-as no dojô. Inclina-se para frente pronunciando a palavra “OSS”.
Após o ritual o corpo deve ser preparado com exercícios de alongamentos, principalmente os músculos que serão mais exigidos e os treinos deverão ser progressivos.

 

LEMA DO KARATE

ESFORÇAR-SE PARA A FORMAÇÃO DO CARATER.
O caráter é o bem mais precioso do homem, na sociedade devemos ser confiáveis e com estas qualidades o homem se destinguirá dos demais. O karate nos ajuda nesta busca.

CRIAR O INTUITO DE ESFORÇO
A meta do ser humano sempre será o desenvolvimento, os objetivos devem ser alcançados de maneira correta sem atropelar o próximo procurando e dando sempre o melhor de si, o desanimo não deve fazer parte do cotidiano na vida do homem.

RESPEITAR ACIMA DE TUDO
O karate começa e termina com uma cortesia. Nos mostra o propósito maior do karate que  é o “respeito”.

CONTER O ESPIRITO DE AGRESSÃO
Ser racional é um privilegio e um dever do homem, pois este tem a obrigação de controlar sua agressividade não imitando os animais irracionais que revidam a uma agressão expondo-se muitas das vezes à morte.

FIDELIDADE PARA COM O VERDADEIRO CAMINHO DA RAZÃO
Nossas atitudes devem ser avaliadas, o lado agressivo deve ser contido, cultivar a espiritualidade e tentar compreender o mundo e a vida, só assim seremos mais humanos.

 

SÍMBOLO DO CLUBE BUDÔ-KAN

Nosso símbolo é o tradicionalmente usado no estilo shotokan e está baseado em dois elementos do universo. O circulo vermelho caracteriza o sol e o branco a lua. Estes dois elementos fazem parte do universo onde ambos reinam harmonicamente. Enquanto um dá luz e calor, o outro dá a tranqüilidade e o amor, completando-se e nos mostrando mais uma vez o principio filosófico do karate.

 

TERMOS TÉCNICOS USADOS NO KARATE

ATE – golpe
ATOSHIBARAKU – 30 segundos para o fim da luta
AGUE UKE – defesa ascendente
AGUE ZUKI – soco ascendente
ATEMI – golpe sobre o corpo
ASHI – pé, perna
ASHI WARA – técnica de perna
ASHI BARAI – rasteira, varredura
AGO – queixo
BU – guerreiro, combate
BARAI – varrer, expulsar
CHU – médio
CHOKU – direto
CHOCU ZUKI – golpe direto com a mão
DACHI – posição
DAN – grau dado aos faixas pretas
DO – caminho
ENPI – cotovelo
ENPI UCHI – golpe com o cotovelo
EMBUSEN – diagrama, esquema, linha de atuação
FUMIKOMI – esmagar o pé
GE – baixo
GEIKO – treinamento, exercício
GERI – golpe de pé
GO – força
GYAKU – contrário
GYAKU ZUKI – soco oposto
GUEDAN BARAI – defesa baixa
HAISHU – dorso da mão
HAITO – sabre da mão
HANTEI – julgamentos dos árbitros (decisão)
HEISOKU DACHI – base com os pés unidos apontando para frente
HEIKO DACHI - base onde os pés devem estar afastados um do outro a largura dos ombros
HIDARI – esquerdo
HIZA – joelho
HIZA GERI – joelhada
HIKITE – puxada de mão
IPPON – um ponto
JITSU – técnica
JO – alto
JUJI – cruz
JUJI UKE – defesa com os dois braços em forma de cruz
KAKATO – calcanhar
KAGI ZUKI – soco lateral em forma de gancho
KAMAE – guarda
KARA – vazio
KATA – forma (luta imaginária)
KEAGE – ascendente
KEKOMI – penetrante
KERI WAZA – técnica de pé
KAMAE – posição de guarda, estado de atleta
KEN – mão fechada
KI – espírito
KIME – união de energias na finalização de golpes, potência
KIHON – treino de base, fundamento do karate
KOSA DASHI ou KAKI DASHI – base com os pés cruzados
KYU – classe
MAE – na frente, adiante
MAE GERI – chute para frente
MAWASHI – circular
MAWASHI GERI – chute circular
MIGI – direita
MIKAZUKI – crescente
MOROTE – as duas mãos
MOKUSO – meditação
MOROTE UKE – defesa dupla (dois braços um apoiando no outro)
MOSUBI DACHI – base com os calcanhares unidos e as pontas dos pés apontam para os lados
NAGASHI – varrer
NAKAE – ordem para entrar no kotó
NI – dois
NIHON – dois pontos
NUKITE – estocadas com o dedo
OBI – cinta
OIZUKI – soco em perseguição (avançando)
OTOSHI – cair
REI – saudação
RYU – escola
SABAKI – esquivar
SAN – três
SANBOM – três pontos
SENSEI – professor
SHIAI – combate com arbitro
SHIZEI – posição
SHUTO – sabre de mão
SHUTO UKE – defesa com o sabre da mão
SOKUTO – sabre de pé
SOTO UKE – defesa com a parte de fora do antebraço (externa)
TAI – corpo
TAI SABAKI – esquiva (giro de quadril)
TATE – vertical
TE – mão
TETTSUI UCHI – golpe com o punho em forma de martelo
TEISHO – base da palma da mão
TOBI – saltar
TOBI GERI – chute saltando
TOKUI – movimento favorito
TSUKI WAZA – técnica de soco
TSUZUKITE KAJIME – reiniciar a luta
UCHI – interior
UCHI UKE – defesa com a parte de dentro do antebraço (interna)
URA – oposto
UKE WAZA – técnica de defesa
URAKEN – oposto da mão fechada
URAKEN UCHI – golpe com o dorso do punho
USHIRO – atrás
USHIRO GERI – chute para trás
WAZA – técnica
YOI – preparar, pronto
YAME – parar
YOKO – lado
YOKO GERI KEKOMI – chute lateral com penetração
YOKO GERI KEAGE – chute lateral ascendente
YORI ASHI – deslocamento longo
ZUKI – ataque direto
ZANSHIN – estado de atenção (antes, durante e depois do combate)

 

MÃOS, FORMAS E COMO USA-LAS

 

PÉS, FORMAS E COMO USA-LOS

 

POSIÇÕES BASICAS DO KARATE

HEISOKU DACHI – Pés juntos (calcanhar e pontas de dedos), corpo reto. Tipo posição de sentido.

MOSUBI DACHI – Semelhante à anterior com a diferença de que a ponta dos pés tem que estar afastadas.

HEIKO DACHI – Pés retos e afastados um do outro, sendo que a distância entre um pé e outro deverá der igual à largura do ombro.

SHIKO DACHI – Pés afastados um do outro, sendo a distância igual à duas vezes a largura dos ombros. Ponta dos pés apontando para fora.

ZENKUTSU DACHI – Posição mais usada no karate. A distância entre um pé e outro deverá ser de 80 a 100 cm. A perna da frente deve sempre estar flexionada deslocando assim o CG do corpo para frente, fazendo com que o pêso fique assim distribuído, perna da frente 60% e a trás com 40% respectivamente. Os pés devem apontar para frente.

KIBA DACHI – A distância de um pé e outro deve ser igual ao zenkutsu, só que os pés devem estar igualmente retos e voltados para dentro. As pernas flexionadas igualmente levando o CG do corpo ao centro, fazendo com que o pêso do corpo seja distribuído igualmente por ambas as pernas. Os joelhos executam uma pressão para fora enquanto que as nádegas devem estar contraídas.

KOKUTSU DACHI – Os pés devem estar na mesma linha (calcanhar). O joelho da frente deve estar ligeiramente flexionado e o pé apontando para frente, enquanto que o pé de trás deverá formar com o da frente um ângulo de 90º. O centro de gravidade deverá estar deslocado para trás de maneira que o peso maior do seu corpo deverá ser sustentado na perna de trás numa proporção de 70/30.

FUNDAMENTOS

O karate para ser praticado divide-se em três partes KIHON, KUMITE e KATA.

KIHON

É o termo técnico em japonês que serve para nomear os golpes fundamentais do karate. Golpes estes executados com braços e pernas, socos, cotovelas e chutes. É o treino solitário. Com este treinamento é que vamos adquirir força, velocidade, equilíbrio, agilidade, resistência e flexibilidade. O Kihon pode ser treinado em posição estacionada (KIHON KOTEI SHIKI) e em deslocamento (IDOU-SHIKI) e este se subdivide em RESOZU-WAZA, UCHIKOMI e LENSOKU-WAZA.

TÉCNICAS EXECUTADAS COM BRAÇOS 

GUEDAN BARAI – Na posição heiko dachi cruze os braços, levando até a orelha o braço que irá executar a defesa, enquanto que o outro apontará para frente. Em seguida deslize com o pé correspondente ao que irá desferir a defesa, ficando na base zenkutsu ao mesmo tempo da defesa (forma de defesa aplicada de cima para baixo).

AGE-UKE – Na posição zenkutsu dachi estique a mão correspondente ao pé da frente à altura do rosto, enquanto a outra estará na cintura. À proporção que você puxa a mão (esticada) a outra (da cintura) começa a se deslocar cruzando-se na altura do tronco elevando-se até a altura do rosto completando com a rotação do quadril (sincronizando os movimentos dos braços com o deslocamento do pé que vai à frente) forma de defesa ascendente.

SOTO-UKE – Defesa de fora para dentro com o lado de fora do antebraço. Em zenkutsu estique o braço que está sobre a coxa na altura do peito, enquanto que o que está na cintura eleva-se até a altura da orelha, puxando o da frente ao mesmo tempo em que é feita a defesa com o braço que se elevou. As mãos devem estar fechadas.

SHUTO-UKE – Defesa com o sabre da mão. Esta defesa é mais executada na posição kokutsu dachi e pode ser usada em muitas situações e em vários katas. A mão que executa a defesa eleva-se até a orelha contrária e desliza sobre a que ficou esticada executando assim a defesa.

UCHI-UKE – Estique um braço enquanto que o outro deverá se posicionar por baixo do que está esticado nas imediações do cotovelo. Com energia puxe o braço que está esticado ao mesmo tempo em que o outro braço executa a defesa com a parte de dentro do antebraço.

GYAKU ZUKI – Na aplicação deste golpe (parado) a mão deverá estar esticada à frente. A perna da frente correspondente à mão esticada. Puxe a mão esticada com velocidade enquanto que a outra soca, (treinando parado). É um golpe mais usado em contra-ataque.

OIZUKI – Golpe em perseguição, deslocando-se na base zenkutsu e socando. A perna avança enquanto a mão executará o soco. Pé e mão tem que chegar juntos (em conjunto).

GEDAN JUJI UKE – Defesa executada para baixo cruzando as duas mãos (pode ser jodan também).

ENPI UCHI – Cotovelada executada para cima na altura do rosto, também pode ser chamado de AGUE-ENPI.

IOKO ENPI – Cotovelada executada para os lados.
 
MAWASHI ENPI – Cotovelada executada em forma de circulo.

USHIRO ENPI – Cotovelada executada para trás.

NUKITE – Golpe executado com as pontas dos dedos das mãos.

KIZAMI-ZUKI – Soco com avanço frontal, treinamento em ZENKUTSU DACHI pequeno. Aumento-se a guarda e golpeia-se com o mesmo braço (igual ao pé adiantado).

TÉCNICAS EXECUTADAS COM OS PÉS

KIZAMI MAE GERI –(pontapé dado para frente com o pé que está à frente) em ZENKUTSU DACHI executar o golpe com o pé que está à frente (KOSHI).

MAE GERI – (golpe direto com o pé KOSHI) chute frontal. Pode ser na altura gedan, tchudan ou jodan, sempre projetando a cintura.

MAWASHI GERI – (golpe circular com o pé KOSHI) golpe executado em circulo para frente, podendo ser na altura jodan ou tchudan, (sempre com o pé de trás).

KIZAMI MAWASHI – Semelhante ao mawashi-geri, porém este pontapé é desferido com o pé que está à frente.

YOKO GERI KEAGUE – Chute para o lado ascendente, tendo como o ponto de contato o sabre do pé (sokuto).

YOKO GERI KEKOMI – Semelhante ao keague, só que este é penetrante usando a projeção da cintura e tem como ponto de contato o sabre ou toda a planta do pé.

YOKO TOBI GERI – Salto precedido de um chute executado com a perna da frente, tendo como ponto de contato o sabre do pé.

USHIRO GERI – Pontapé executado para trás com a área do calcanhar (kakato).

KUMITE

Existem 6 tipos de treinamentos de “kumite” (lutas):
-GOHON KUMITÊ
-SANBOM KUMITÊ
-KIHON KUMITÊ
-JYU IPPON KUMITÊ
-JYU KUMITÊ
-SHIAI KUMITÊ

GOHON KUMITÊ - É uma luta pré-determinada entre dois karatecas, onde um lutador ataca o outro cinco vezes seguidas em linha reta. Os golpes são previamente combinados e o outro fará a mesma quantidade de golpes defensivos usando um contragolpe no último movimento. O último movimento deverá ter a distância correta, base adequada, equilíbrio, velocidade e kiai (kime). Neste treinamento tradicionalmente usa-se golpes de ataque: Jodan e tchudan Zuki, Mae Geri Tchudan, Mawashi Geri Jodan e Yoko Geri (Go-No-Sen defesa e contragolpe).

SANBOM KUMITÊ - Esta luta assemelha-se com a primeira, a diferença está na quantidade de repetições que são em número de três. O seu ritmo varia com a velocidade dos golpes e usa-se os mesmos golpes de ataque da primeira luta.

KIHON IPPON KUMITÊ - Conhecida também como KIHON IPPON, tem como objetivo do treinamento a flexibilidade contra a força (SEN-NO-SEN). Neste combate o oponente executará um só golpe onde o defensor deverá esquivar-se com uma defesa precedida de um golpe de ataque, sempre se esquivando 45º da linha de ataque do oponente.

JYU IPPON KUMITÊ - Nesta luta ambos os lutadores tem a liberdade de se movimentar livremente. O lutador que atacar terá que combinar o golpe a ser aplicado (avisar), este com o direto de aplicar uma finta antes do ataque propriamente dito. Já ao defensor cabe antecipar o golpe (deai) ou efetuar o bloqueio apropriado ao ataque, seguido de um contragolpe. Ambos têm que primar pela distancia adequada, base, equilíbrio, velocidade, kiai e acima de tudo o tempo correto, fazendo com que exercitem a precisão dos golpes.

KATA

No treinamento dos katas nota-se as diferenças de estilos e métodos do karate. Não há diferença na execução do kata e do kumite, pois ambos devem ser treinados com a mesma seriedade. O kata é a alma do karate, sua essência, aquilo que deve permanecer quando todo o resto for esquecido no decorrer do tempo. O kata é uma maneira de mobilizar todos os recursos energéticos, físicos e mentais adormecidos no interior de cada um. Cada movimento de um kata tem um sentido, sua interpretação (bunkai), não devemos executar um movimento do kata sem pensar no seu bunkai.
É importante no kata à estabilidade das posições, poder das técnicas, precisão dos golpes, determinação do olhar, atenção às variações dos ritmos e deslocamentos e é fundamental a memorização de todas as seqüências técnicas. Não se deve treinar o kata simplesmente para uma apresentação, mas sim para aperfeiçoar o próprio kumite e caso preciso, a aplicação no confronto real. O karateca deverá treinar o maior número de katas, pois só assim encontrará o maior número de técnicas contidas no karate. Cada kata tem seu nome peculiar e seu lugar preciso no programa técnico.

PEQUENO HISTÓRICO DOS KATAS 

KATA HEIAN - É uma série de katas básicos que foram aperfeiçoados pelo mestre YASUTSUNE ITOSU. A palavra HEIAN vem da junção das primeiras sílabas de duas palavras japonesas, HEIWA (que significa Paz) e ANTEI (que significa Segurança). Seus movimentos foram inspirados em katas superiores principalmente o Jion, Bassai Dai, Kanku Sho e Kanku Daí. Destes foram tirados os movimentos simples que tinham como finalidade treinar os alunos pequenos nas escolas primárias. No princípio estes katas eram chamados de pinan pelo mestre Itosu, e foi o mestre Funakoshi que modificou seus nomes para HEIAN e têm o significado de paz e segurança. Sua série é composta por 5 katas (Shodan, Nidan, Sandan, Yodan e Godan), em algumas escolas da shotokan ainda se usa uma outra série de kata mais simples, são os TAY KYOKU.

OS KATAS DA SÉRIE TEKKI - Os tekki são em número de três, executados em linha reta e sempre na base kibadachi. O TEKKI SHODAN é originário do estilo SHURITE, executado em 29 técnicas na base kibadachi e breve passagem em kakidachi. A sua forma de treinar lembra um cavaleiro montado num cavalo. O seu primeiro KIAI é executado na técnica parecida com dois socos (sokumen tchudan zuki) para esquerda e o segundo KIAI é executado para direita com a mesma técnica.

JION - Pelo fato de se encontrar a palavra Jion nos livros budistas acreditava-se que era de origem chinesa. Por outro lado é provável que jion seja o nome de um templo onde as artes marciais eram praticadas. Este kata era muito praticado na região TOMARI. O praticante que treinar bem a série HEIAN facilmente se adaptará com o JION. Este kata se encontra apenas em dois estilos: SHOTOKAN e WADO-RYU. As bases mais usadas no jion são: o kibadachi, zenkutsu dachi e kokutsu dachi, uma característica é que no seu final usa-se a força do adversário.
JION significa a expressão da eficiência, da maturidade, da piedade, da gratidão e do bom relacionamento entre os seres humanos.